Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Austerausência por Schetini’ Category

Obs: para acessar a primeira parte, clique aqui.

Obs#2: para acessar a segunda parte, clique aqui.

Obs#3: para acessar a terceira parte, clique aqui.

O ar transgredia a natureza, mas nem sempre.

Pássaros sobrevoavam a paisagem rigorosa. Os assuntos eram tantos e poucos, não muito essenciais. O campo, o mar, a terra, enfim, perderam o aspecto rudimentar. Gemidos espalhafatórios ainda reverberavam. […] Essas vozes olvidariam com as horas […] Os pássaros esvoaçavam tranquilos ao vento da tarde invernal. Voos rasantes e profundos, revoluteares longínquos, além-mar, além-monte, pairavam serenos e doces, palrar e risos concomitantes… além-céu… (to be continued)

Anúncios

Read Full Post »

Obs: para acessar a segunda parte, clique aqui.

Obs#2: para acessar a primeira parte, clique aqui.

Desmaiava a tarde em um augusto azul sem fim: azul o céu, azul a água; as músicas, todas azuis.

Le bleu est la bonne.

Ondas de emoções viriam a se deslizar de dentro do ambiente, circunspectas, envolvendo-se em mim – para que eu as pudesse traduzir – entre gritos prévios e áscuas preliminares de uma vermelhidão abastada. Desprezível parte esta. Por que é que tenho de enfrentar tais visões? (to be continued)

Read Full Post »

E essa noite, escura e funda, em que abunda o silêncio do seu corpo ausente, essa noite, em que a lua se desmancha em nuvens, é toque de solidão ardente… essa noite, a que o silêncio reflete, e a lua esconde, tudo se repete. Ah, essa noite em que o espírito aviva, a brancura estelar desfalece, e morre a esperança de ver-te tangível, terna, afável, amável… nuanças revertidas de fausto encantamento. Essa noite furtiva mascara-te, mascara-me, empalidece-nos. Noite, amor, essa menina desairada, faz-se louca desvairada, e sinto-te longínqua, desvelada em face ao sereno, negra de frio, inflamada… E essa noite arfante, e essa fumaça, e esse ar… E esse tudo que me quer tragar… (to be continued)

Read Full Post »

Obs: para acessar a primeira parte, clique aqui.


É certo que dali em diante nunca veio aflorar a necessidade de revoluções.

Precisava me ater às constantes privações do que fora convencionado, de modo que muitos seres da espécie gesticulavam já em coro, recitavam de cor e exaltavam a soberania atual. (Coroada após os tempos remotos, mas de datação incerta, a espécie sórdida continuara e continuaria coroando-os!) Eles tinham na opressão o prazer insano sobre o ser perfumado, pois que aprendiam a praticar os seus costumes sobremaneira! Água de um lago só, lama e lodo! (to be continued)

Read Full Post »

Amena

AMENA

Cálida mulher, cinge-me fundo!
Quando vires à minha terra
Traze-mo uma dose de amor
Nesse diáfano fulgor

[…]

À vertigem cerceada lance olhares
Alvoreça em mim cantares
Acalente-me a dor

(to be continued)

Read Full Post »

zac-poeisis

A cidade andava vazia. E qual cheia de rastos pegajosos e uma pegada petulante cheia de adornos como quando um rei está a passar. Dir-se-á as pedras que habitavam aquele lugar, ao passo das nossas aproximações e contatos, que a donna daquelas pegadas era repleta de prados luminosos… Subjuguei ser tudo aquilo prenúncio de Outono abrandado.

Sei que muitas vezes pousava a Poesia na pessoa da pegada adornada. Sei porque vi. Mais vezes, sei – e hás de saber… (to be continued)

Read Full Post »

Older Posts »